O tempo e o amor – 25 anos depois

Se, como num sonho, viesse o tempo me inquirir, lembrando-me todos os nossos dias, e se me fizesse reviver os primeiros instantes em que nos olhamos, os meus primeiros suspiros e o interesse tão profundo que você sempre me despertou…

E, mais que isto, se insistisse em relembrar todo o esforço que tivemos para concretizar nossa união, a espera, ansiedades e sonhos… e trouxesse de volta as tensões que tivemos durante a vida, e as dificuldades, medos e renúncias… e se, como num toque de impiedade, me levasse de volta aos dias tristes em que nos frustramos diante de pessoas e projetos… e revivesse os sorrisos tão intensos de nossas alegrias e dos choros tão angustiantes de nossas decepções…

E se me fizesse notar o quando nos dedicamos um ao outro e o quanto lutamos, e o quanto perdemos e o quanto conquistamos… e me levasse a ver todas as limitações que agora temos, fruto de nossa maturidade e, por ela mesmo, como nos tornamos mais sábios…

E se ao me recordar tudo isto, perguntasse sobre o que senti e o que vivi… lhe diria, sem titubear, que fui feliz, que me realizei, que estou feliz e que, se outra vez ele me deixasse escolher, ainda assim, te escolheria de novo, no mesmo tempo, do mesmo jeito e com o mesmo amor com que te amei todos estes anos e hei de te amar pelo resto dos meus dias…

Nilson

Published in: on novembro 28, 2012 at 10:20 am  Comments (3)  

i n s ô n i a

Apague as luzes mais uma vez…procure não lembrar…
Encontre uma posição confortável para recostar sua cabeça…
Não, não ceda a tentação de ligar a internet ou o abajur…
Procure não incomodar quem dorme ao teu lado…
Respire fundo e preste atenção no vento…no grilo…no cachorro que insiste em latir…
Deixe teus pensamentos repousarem, não os atormentes!
Fecha teus olhos, tua indignação, tua dor, tua mágoa…fecha!
Deixa teu corpo morrer e tua alma, simplesmente, descansar em paz…
E, principalmente, nunca deixe papel e lápis ao teu alcance.

Márcia Regina

Published in: on novembro 9, 2012 at 11:21 am  Comments (2)