Coisas a considerar…

…é preciso considerar que as coisas são passageiras e que o amanhã, talvez, não exista… mas que viver o hoje é um privilégio que muitos já não tem…

…é preciso considerar que existirão dias chuvosos, nublados… mas que o sol sempre predomina…

…é preciso considerar que em algumas vezes o cansaço vai atrapalhar nosso raciocínio, embaçar nossa visão… mas, é preciso que saibamos que isto é uma fase, e que sempre existem os finais de semana para reabastecermos nossas energias…

…é preciso considerar que nem sempre teremos as respostas que desejamos… mas, se soubermos esperar, as coisas se ajeitarão, mesmo que nunca as encontremos…

…na vida, é preciso que se considere que nem sempre seremos entendidos, nem sempre seremos amados, nem sempre teremos razão… mas isso faz parte da vida, das fraquezas humanas…e, como diz Caetano, “cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é…”

…acima de tudo, precisamos considerar algumas regras gerais que trouxeram a humanidade até este momento histórico, mesmo que falem que é coisa de gente antiga como: “manga com leite faz mal”, “olhar no espelho depois do almoço dá congestão”, “é preciso cobrir os espelhos nos dias de chuva forte”…pode ser que já saibamos cientificamente que não acontecem…mas, não custa nada prevenir… como é bom ouvir os mais velhos…tê-los por perto, ouvir suas histórias… entre os tantos conselhos, muitos hão de nos ajudar, pelo carinho e cuidado com que vem revestidos…

…viver não é fácil… já disse alguém, que só não vive estressado, aquele que já está no cemitério…

…e, acima de tudo a considerar, pelo menos para aqueles que acreditam e confiam em Deus, como já disse John Wesley, é que, “o melhor de tudo, é que Deus está conosco”.

Márcia Regina

Published in: on novembro 30, 2011 at 11:54 am  Deixe um comentário  

Hoje

Eu só tenho hoje…
O ar, o olhar, a impressão…
Não há nada além de agora, desse momento…
O amanhã não há…
Não há a fome do amanhã, nem a dor, nem o frio, nem a febre…
Não há carência, nem prazer, nem sabor, nem querer, nem ter…
Só hoje é que há…
Paz, eu só tenho agora,
Deleite, só agora,
Aconchego, ternura, emoção, felicidade, saúde…
Nada além do agora…
Então porque pensar no que não tenho, no que não sou, no que não sinto?
Porque me debruçar a querer o que não sei, não vi, nem sei se saberei…
Porque sentir a dor que ainda não dói, a fome que ainda não tenho, a sede que nem sei se sentirei?
Porque perguntar sobre dúvidas que ainda não surgiram,
Momentos que ainda não chegaram,
Histórias que nem tiveram fim?
Eu só tenho o hoje…
O hoje e mais nada além dele…
O hoje dos meus prazeres,
O hoje de minhas emoções,
O hoje da minha paz,
O hoje de minha felicidade…
E isto basta… pra hoje… pro que tenho, pro que vivo,
O hoje e mais nada…

Nilson

Published in: on novembro 27, 2011 at 4:25 pm  Deixe um comentário  

“19 de novembro”

À medida que os muitos fios brancos me trazem mais maturidade, sinto forte algumas tensões em mim…
Percebo a juventude se lançar contra o amadurecimento, sustentando a força da indignação que sempre vem à tona quando me deparo com as injustiças, inverdades e incoerências…
Vejo a serenidade contender com muitas palavras e opiniões que insistem em se expressar publicamente… em alguns momentos vence a serenidade, noutros o vigor das palavras…
Observo, de vez em quando, a experiência conflitar com as ideias, me reorganizando, levando a refletir, a esperar… vez ou outra as ideias vencem as experiências e sou levado por alguns devaneios…
A maior desordem, no entanto, está na dimensão do que sonho, pois mesmo com os fios brancos, a maturidade e a experiência, olho pra dentro do que sou e reconheço vontades ainda vigorosas, e ainda mais fortes… e a viva esperança de que um dia terei tudo o que almejei… o meu grande amor junto de mim até o final de meus dias, meus rebentos felizes, plenos, os poucos amigos próximos e bem realizados e a liberdade para voar intensamente no céu de minhas letras, pensamentos e desejos…

Nilson.

Published in: on novembro 18, 2011 at 11:38 pm  Deixe um comentário